in

Se uma mãe já não é útil, então ela fez um bom trabalho

Todas as mulheres sabem que, mais cedo ou mais tarde, chega a hora de o filho sair do ninho e seguir o seu próprio caminho. Este é um processo absolutamente natural, mas não indolor, pelo menos para as mães, que continuarão a olhar para um filho como se fosse o pequeno que segurava a sua mão quando ainda era não conseguia andar sozinho. Quando uma mãe percebe que já não é necessária, significa que ela fez bem o seu trabalho.

O amor muda, transforma-se, não perde nada na sua intensidade. Simplesmente evolui para algo diferente e mais maduro, numa jornada de conquista da liberdade. A criança que ontem dependia da sua mãe para tudo, é hoje adulta e autónoma capaz de enfrentar a vida por conta própria. Isso não significa que o vínculo entre mãe e filho se extinguiu, apenas que a mãe conseguiu cumpriu plenamente a sua tarefa, entregando ao mundo um indivíduo saudável, seguro e completo.

A mãe preservará sempre o instinto de proteger a sua cria da dor, do perigo e do erro, mas aos poucos aprenderá a reprimi-lo e deixá-la livre para viver e fazer as suas próprias experiências. O que mais importa para um filho é saber que a qualquer momento a mãe está lá, como um porto seguro onde regressar sempre que sentir necessidade, para uma palavra de conforto, conselhos ou apenas um abraço.

Então, os papéis são invertidos. O filho adulto possui agora as habilidades, os recursos e forças para cuidar da mãe idosa, num círculo virtuoso de amor que nunca acaba. Mesmo que o cordão umbilical tenha sido cortado, permanece um fio invisível e indissolúvel que liga mãe e filho para sempre.

O ciclo da vida é renovado de forma a que cada indivíduo se torne pai, transmitindo valores, ensinamentos e sentimentos aos filhos. Uma roda da vida em que o amor reina eternamente.

PARTILHE!

Um menino de 4 anos ficou míope porque a sua avó deixava que ele brincasse com o telemóvel várias horas todos os dias

Esta casa leva 6 horas a ser construída e custa apenas 30 mil euros