in

Bebé de 450 gramas tem de ficar no hospital. Anos depois, as enfermeiras ficam chocadas ao ver as mãos do adolescente

Quando Cathy Cícero estava com apenas 25 semanas de gravidez, ela deu prematuramente à luz o seu filho Zach. O pobre rapaz era tão pequeno que pesava apenas meio quilo e cabia na palma da mão dela. Zach passou os primeiros três meses da sua vida na unidade de cuidados intensivos neonatais do St. Joseph Hospital, em Chicago, e se não fosse pela equipa incrível e pelos avanços da tecnologia, Zach podia nunca ter sobrevivido para ser um típico adolescente de 18 anos. Surpreendentemente, houve algo que fez o ex-prematuro Zach ser tão típico depois de tudo…

A mãe Cathy visitava Zach todos os dias, lendo para ele enquanto se sentavam numa cadeira de baloiço. Embora seja impossível para Zach lembrar esses primeiros momentos cognitivamente, o tempo que passou com a sua mãe e as enfermeiras na unidade de cuidados intensivos causou uma impressão duradoura nele, de alguma forma. Passados 18 anos de ter nascido como um prematuro frágil, Zach voltou ao mesmo hospital com uma doce prenda. A equipa quase chorou quando viu o que o adolescente tinha nas mãos…

Zach queria retribuir ao hospital que cuidou dele durante os primeiros meses incertos da sua vida. Como parte do seu projeto Eagle Scouts, o finalista do ensino secundário fez um presente reconfortante para as enfermeiras e mães que passam dias e noites stressantes na unidade de cuidados intensivos neonatais. Parece que Zach nasceu literalmente para fazer isso, e não poderia ter vindo de alguém melhor. Homens honrados como Zach são a razão pela qual não devemos colocar toda a culpa na geração mais jovem pelos problemas da atualidade.

Veja o vídeo abaixo para assistir a este ser incrível a fazer uma entrega especial a uma mãe que estava prestes a embalar o seu recém-nascido.

PARTILHE!

Homem de 91 anos é insultado por 3 motoqueiros, acaba por se levantar e vinga-se da melhor forma

Professor passa a noite a preparar surpresa de Páscoa emocionante. As crianças entram na sala e ficam sem palavras