in

O homem que abriu uma estrada para que os filhos pudessem ir à escola

Esta é a história de Jalandhar Nayak, um homem de 45 anos residente na pequena aldeia de Gumsahi, na Índia, que não conseguiu ficar indiferente à dificuldade dos filhos em chegar à escola.

A escola ficava a 15km do povoado e as crianças demoravam 3 horas a chegar lá, com cinco colinas pelo meio.

Jalandhar resolveu abrir uma estrada com as próprias mãos, apesar de todos os perigos e cansaço físico extremo que o esperavam.

Atualmente, os três filhos de Jalandhar são as únicas crianças a viver na aldeia, uma vez que as outras famílias abandonaram à procura de melhores condições.

Jalandhar demorou 2 anos a construir parte do caminho da sua casa para a escola dos filhos, e nunca pensou em desistir.

“Os meus filhos tinham problemas ao caminhar por um trilho estreito e cheio de pedras quando iam para as aulas. Passavam a vida a tropeçar. Por isso, decidi abrir um caminho através da montanha, para que pudessem andar mais facilmente”, explicou.

Para isso, Jalandhar usou uma picareta e uma pá, com as quais retirou todos os obstáculos do caminho. Para demarcar o espaço por onde as crianças iam passar e guiá-las, utilizou pedras.

Diariamente, dedicava 8 horas a tirar lixo e objetos perigosos do caminho. No final, conseguiu abrir uma pequena estrada de 8km, sem danificar qualquer árvore.

Jalandhar tinha a intenção de passar outros 3 anos a concluir os quilómetros restantes até à escola, mas o governo local soube da sua iniciativa e fez questão de agir.

“O esforço e determinação dele em construir uma estrada entre as montanhas deixaram-me perplexo”, disse o prefeito de Gumsahi, que enviou uma equipa para completar o trabalho iniciado por Jalandhar e ainda lhe pagou pela parte que concluiu sozinho.

Esta é a prova que um pai faz tudo pelo bem-estar dos filhos.

PARTILHE!

Um verdadeiro pai não é aquele que paga as contas, mas aquele que compreende que a família vem primeiro

Patrão “à paisana” fica emocionado ao descobrir que funcionário esforçado é sem-abrigo