in

Esta rapariga criou sozinha os seus 5 irmãos depois de os seus pais morrerem de cancro

Hoje vamos dar-lhe a conhecer a história da família Rodriguez, constituída por Lisa, Alexander e os seus 6 filhos.

Infelizmente, Lisa Smith, a mãe de apenas 35 anos, morreu de uma doença grave no ano de 2013. Apenas 3 anos depois, o seu marido Alexander Rodriguez morreu também, de linfoma, com 44 anos.

Nessa altura, a filha mais velha, Samantha, tinha ainda 17 anos, e naturalmente falou-se na possibilidade de adoção, o que não lhe agradou minimamente. Nenhum familiar poderia receber 6 crianças, por isso certamente seria necessário separar os irmãos.

Para evitar que isso acontecesse, Samantha preparou-se para o maior desafio da sua vida, que era criar os 5 irmãos, com idades entre os 4 e os 13 anos, ao mesmo tempo que faziam todos o luto da morte dos pais.

O tutor legal das crianças era a avó Lourdes, mas não tinha como cuidar de todos devido à artrite. Foi então que Samantha entrou em cena – fez de mãe, pai e irmã mais velha simultaneamente.

Samantha deixou de ter uma vida típica de adolescente e passou a dedicar-se à família por inteiro. Depois de os pais morrerem, ela encarregou-se de preparar as refeições, tratar das tarefas domésticas, dar banho aos mais novos, entre outras coisas.

Atualmente, os irmãos de Samantha, que tem agora 20 anos, já têm idade para compreender tudo aquilo de que ela abdicou para que pudessem ficar juntos. É por causa dela que continuam unidos, bem alimentados e felizes, apesar do sofrimento da perda dos pais. Uma autêntica super heroína!

A história desta família tornou-se conhecida, e chegaram várias ajudas de pessoas que ficaram sensibilizadas. A polícia local deu-lhes um carro para ajudar com as viagens diárias, a comunidade e anónimos contribuíram com dinheiro, e algumas famílias até se voluntariaram para os ajudar em casa.

PARTILHE!

Esta mulher perdeu o seu anel de noivado no jardim: depois de 13 anos encontra-o numa cenoura

Esta mulher de 107 anos revela o seu segredo para a longevidade: “nunca me casei”