in

Líder feminina ganha poder, anula 850 casamentos infantis e envia meninas de volta para a escola

Hoje vamos dar-lhe a conhecer Theresa Kachindamoto, a mais nova de 12 filhos descendentes de chefes de aldeias na Baía do Macaco, no Malawi. Quando finalmente chegou a hora de tomar o seu lugar como chefe sénior – depois de passar 27 anos como secretária na cidade – ela dedicou-se totalmente a acabar com a prática do casamento infantil entre o seu povo.

Kachindamoto nunca esperou tornar-se chefe, porque tinha tantos irmãos mais velhos e 5 filhos para cuidar, mas a sua reputação como “boa com as pessoas” levou à sua eleição surpresa.

Embora o casamento infantil seja uma prática culturalmente aceite naquela área e muitas vezes resultado de uma necessidade financeira, também é ilegal desde 2015, embora isso não tenha posto fim à prática, dado que as crianças ainda podiam casar com o consentimento dos pais.

Mas Kachindamoto decidiu que não representaria uma tradição que roubou às jovens as suas infâncias, transformando-as em esposas e mães muito antes de completarem 18 anos.

Enquanto viajava pela Monkey Bay para conhecer as pessoas que iria governar, ela conheceu meninas de até 12 anos com maridos e crianças.“Eu disse-lhes: gostem ou não, eu quero que esses casamentos acabem”, lembra.

Durante o seu tempo como chefe de mais de 900.000 pessoas, ela anulou 850 casamentos de crianças e enviou todas as meninas para a escola.

O Malawi é um dos países mais pobres do mundo e uma investigação das Nações Unidas realizada em 2012 constatou que mais da metade das meninas do país eram casadas antes dos 18 anos.

Existem organizações em todo o Malawi que trabalham para alertar os pais sobre os perigos do casamento e do parto prematuros, mas eles geralmente são tão pobres que não têm condições de abrigar e alimentar as suas filhas, então sentem que não têm outra opção a não ser casá-las.

Mas o casamento e gravidez infantis são práticas terríveis, e frequentemente dão-se complicações no parto, porque o corpo das meninas é demasiado pequeno para dar à luz com segurança.

Além disso, as meninas muitas vezes são mandadas para campos de “kusasa fumbi”,que significa limpeza, mas na verdade é um lugar para iniciação sexual. Neste local, são treinadas meninas de 7 anos para realizar atos sexuais para agradar os seus futuros maridos.

Kahindamoto assumiu uma posição rígida contra todos os envolvidos nessas práticas, ameaçando demitir qualquer chefe que a sancionasse.

Quando os pais protestaram contra as ações de Kachindamoto, ela não recuou. Sabendo que não podia mudar a mentalidade dos pais, ela mudou a lei e conseguiu que os seus 50 sub-chefes assinassem um acordo para abolir o casamento precoce e anular quaisquer sindicatos existentes na sua área.

Claro que isso não impediu algumas pessoas de a desafiar, e para demonstrar quão seriamente ela estava a encarar a situação, demitiu quatro chefes masculinos em áreas onde a prática de casamento infantil ainda estava a ocorrer, até que eles concordaram em cumprir a lei, anular os casamentos e mandar as meninas para a escola.

Apesar de receber ameaças de morte, Kachindamoto não se deixou intimidar. “Eu não me importo, não me importo. Eu já disse, podemos conversar, mas essas meninas vão voltar para a escola”, disse ela.

Kachindamoto também encontra formas de pagar pela escolarização de meninas cujos pais não têm condições económicas para tal.

E ela não é mulher para se sentar e assumir que tudo está bem, por isso contratou uma rede de “mães e pais secretos” nas aldeias para garantir que os pais não estão a tirar as suas filhas da escola.

Quanto àqueles que ainda se recusam à nova lei da sua chefe? Ela não está preocupada. “Eu sou chefe até morrer”, disse, rindo.

PARTILHE!

Mendigo encontrou a carteira de um milionário, devolveu-a e o dono recompensou-o com casa e trabalho

Os netos herdam boa parte dos genes da avó materna, afirma um estudo