in

Rapaz pede emprego em sinal de trânsito e consegue oportunidade depois de artista refazer o seu cartaz

Esta é a história de Roberto Fernandes, um jovem de 26 anos que deixou o Rio Grande do Norte para tentar a sua sorte em Jundiaí, São Paulo, após meses de procura por emprego sem qualquer sucesso.

Com o pouco dinheiro que tinha, comprou uma cartolina para fazer um cartaz a pedir emprego, e distribuiu mais de 150 currículos pela cidade.

Entretanto, o jovem foi para os semáforos da principal avenida de Jundiaí segurar o cartaz, onde foi visto pela artista e tatuadora Giuliana Vaia, que passou por ele de carro.

Giuliana reparou que o cartaz estava pouco legível e sentiu que devia ajudar Roberto. Então, usou a sua experiência em arte e caligrafia para fazer-lhe um novo cartaz, desta vez com letras brancas numa cartolina preta. Essa pequena mudança fez toda a diferença, pois este cartaz chamou muito mais a atenção.

A tatuadora e outras pessoas fotografaram Roberto com o novo cartaz e publicaram na internet, para divulgar ainda mais o pedido.

Não passou muito tempo até Roberto receber uma chamada para uma entrevista de emprego para uma rede de hotéis. O responsável de seleção do hotel disse que a determinação e coragem do jovem revelavam espírito de iniciativa, algo que todos os empregadores procuram nos seus funcionários.

Desta forma, Roberto conseguiu um bom emprego e tem feito os possíveis para ajudar a tia e a mãe, ainda residentes no Rio Grande do Norte.

Antes de a sua história se tornar conhecida, o jovem passou por muitas dificuldades financeiras e venceu um cancro.

“Sinto-me agradecido a Deus, que me deu esta oportunidade. A minha humildade fez-me chegar onde estou, motivou-me a não fica em casa e ir à luta pelo meu sonho. Estou a passar para as outras pessoas que nada é impossível, tudo depende delas próprias”, disse Roberto.

PARTILHE!

Estes Volkswagen Beetles (Carochas) são convertidos em autocaravanas híbridas chamadas “Bug Campers”

Cão de apoio acompanha as aulas com o seu dono e a escola inclui-o no anuário