in

Motorista para autocarro para ajudar mulher cega a atravessar a rua 

Hoje vamos dar-lhe a conhecer Nigson Santana, um motorista de autocarro de 52 anos muito especial. Embora conduzir num grande centro urbano não seja tarefa fácil, Nigson conseguiu marcar pela diferença.

Certo dia, enquanto conduzia um autocarro público, Nigson fez questão de parar “apenas” para ajudar uma passageira invisual a atravessar a rua.

Quando a passageira do autocarro solicitou a paragem, Nigson percebeu que ela teria de atravessar três ruas para chegar a casa. Então, pediu licença aos outros passageiros e correu para ajudá-la.

Depois de a deixar do outro lado da avenida, o motorista regressou ao autocarro e foi recebido com aplausos pelos outros passageiros, que partilharam o momento na internet.

Porém, este tipo de atitude já faz parte do dia-a-dia de Nigson, que costuma ajudar aquela senhora, passageira frequente da linha 13.

“A Dona Cida apanha sempre o meu autocarro. Ela pediu para descer numa rua da Vila São Jorge, e quando vi que ela precisava de atravessar três ruas, não pensei duas vezes e fui ajudar. Estacionei, pedi licença aos passageiros e levei-a até ao outro lado. Quando voltei, eles aplaudiram, disseram que eu era o primeiro motorista que eles tinham visto a fazer aquele tipo de boa ação. Não percebi que tinham tirado fotos e filmado, mas fiquei muito emocionado com a reação deles”, contou o motorista.

 “Levo muitos idosos, deficientes físicos, mulheres grávidas e com crianças pequenas, porque eles sabem que eu espero que eles entrem e se acomodem para poder seguir viagem. Uma senhora até me deu tomates, a dizer que eram diospiros. Eu disse que estavam deliciosos e ia comer tudo”, lembrou a rir.

Nigson tem uma boa relação com os seus passageiros, e orgulha-se disso. “Hoje em dia, as pessoas não têm paciência com os idosos, mas algo que a minha mãe me ensinou é que temos de ser bons para os outros, porque um dia também vamos ficar velhos, por isso eu procuro sempre ajudar os outros, é uma algo que levo comigo. Eu tenho um amor muito grande pelas pessoas”, concluiu.

PARTILHE!

Conheça a escola onde as crianças pagam a mensalidade com plástico

“Se não habituar a criança a esperar, a criar, a negociar, a ceder e a sentir frustração, você está a prejudica-la”