in

Menino vai a uma loja de roupa. Então, a mãe lê um sinal na janela e percebe que têm de ir embora

Aqueles que estão familiarizados com compras em lojas de segunda mão, conhecem a emoção de uma caça ao tesouro. Talvez não haja melhor maneira de encontrar coisas únicas, antigas e encantadoras desde roupas a produtos domésticos, tudo a uma fração do custo das lojas normais. Como um bónus adicional, também é bom saber que se está a reciclar em vez de deixar coisas perfeitamente boas acabar em aterros sanitários.

Embora seja difícil negar essas virtudes de comprar numa loja de segunda mão, talvez não seja muito descabido dizer que muitas dessas lojas também têm um aspeto caótico. As roupas e os bens não estão sempre em perfeita ordem, e há por vezes o cheiro de coisas que estão a ser guardadas no sótão de alguém há muito tempo.

Então, há também as frustrações de encontrar a desordem criada pelos próprios compradores.

Não é raro encontrar clientes que tendem a tratar as lojas de segunda mão de forma menos cuidadosa do que as outras lojas ditas normais.

Por exemplo, algumas crianças que acompanham os pais e avós e tratam a loja como um espaço de brincadeira pessoal. De certa forma, é difícil negar a atração que eles sentem em direção aos corredores de brinquedos e bens interessantes, mas, ao mesmo tempo, não é motivo para deixá-los ficar loucos!

Uma loja de segunda mão em Fargo, Dakota do Norte, sabe quão as disruptivas as crianças podem ser na sua loja, tanto que até colocaram um sinal a proibir a sua entrada.

Dean Clark e a sua esposa são donos da loja de vestuário em Fargo, e depois de terem alegado muitos incidentes com crianças, tiveram de colocar um sinal que dizia:

“Crianças menores de 7 anos não são permitidas na loja. Obrigado por compreender.”

Mas compreender o não é exatamente o que os clientes estavam a fazer. Quando Kalene Krebs decidiu fazer compras lá, ela certamente ficou surpreendida:

“Eu nunca ouvi falar de uma loja que proibisse crianças. Eu estava com um amigo e o meu filho, então fiz o meu amigo entrar na loja para perguntar porque é que eles não permitiam crianças. Eles disseram que tiveram algumas histórias de terror de crianças a correr por ali, a destruir cabides e prateleiras de roupa.”

A opção fornecida pelo gerente da loja no caso de Kalene ainda queria entrar e comprar, era segurar a mão do seu filho em todos os momentos! Então, embora pareça estranho, Kalene tentou:

“Nós entrámos por alguns minutos antes de decidir que era uma regra absolutamente ridícula. Eu não vou apoiar um negócio que não permita que as crianças passem das suas portas e eu tenho certeza que muitas pessoas concordariam.”

Qual a sua opinião?

PARTILHE!

3 homens com aspeto duvidoso fazem perguntas estranhas à empregada de mesa. Então, ela vê o recibo e fica pálida

Meninos encontram carro enterrado, e polícia soluciona o crime