in

Este homem cedeu a sua vaga de emprego para o colega com um filho doente que seria demitido

Hoje vamos dar-lhe a conhecer Douglas Marques da Silva, um porteiro de Biguaçu com 26 anos, que cedeu a sua vaga de emprego a Marcio um colega que ia ser demitido.

Douglas sabia as dificuldades pelas quais o colega estava a passar, e que este seria dispensado porque estava só a cobrir o período de férias de alguns funcionários – quando estes regressassem, Marcio perderia o lugar na empresa. Então, Douglas fez questão de dar-lhe o lugar.

“Ele falou-me sobre o cancro que o filho enfrentou aos 8 anos, debaixo da língua, e de um novo tumor que tinham acabado de lhe diagnosticar agora aos 12, desta vez no pulmão. Isso tocou-me porque a minha irmã Débora enfrentou um cancro e eu acompanhei de perto a sua luta contra a doença”, conta Douglas.

No início do ano, o carteiro e a mulher ficaram muito assustados quando a filha de 10 anos foi diagnosticada com um tumor na língua também, mas depois de alguns exames, os médicos constataram que se tratava apenas de um canal salivar entupido.

“Sofremos muito. Não queria preocupar ninguém, mas na altura liguei para o meu pai e contei-lhe. Ele veio com a esposa de São Paulo para cá e ficaram connosco”, lembra Douglas.

Marcio desabafou com Douglas sobre o sofrimento do filho, que perdeu o maxilar. Com muita dificuldade, conseguiu uma cirurgia e tratamento de um médico de Portugal, que consiste na criação de um maxilar de titânio para o jovem.

“Ele mostrou as fotografias da cirurgia do filho e disse que ele se alimenta só de líquidos até hoje. Gastam cerca de R$ 600 todos os meses, com essa alimentação. Em casa, falei sobre isso com a minha mulher. Não conseguia tirar aquilo da cabeça. Perturbou-se a semana inteira”, conta Douglas.

Os dois foram-se aproximando, e Douglas acabou por descobrir que o contrato de trabalho de Marcio era de 60 dias.

“A cada plantão ele mostrava-se mais preocupado por perder o seu trabalho, porque entretanto o filho tinha dado início ao tratamento o mesmo hospital infantil a que eu levei a minha filha. Fiquei muito mal com tudo aquilo e sentia algo a crescer dentro de mim. Consegui uma vaga de segurança noturno graças a um conhecido, para ajudar com as despesas, e tentei indicar o Marcio. Porém, o grupo estava completo e o chefe era muito seletivo. Faltavam apenas dois plantões para o Marcio sair e eu sentia o meu peito a arder de preocupação. Então, soube o que tinha de fazer”, conta Douglas.

Com o apoio da mulher, Douglas abriu mão do seu emprego, com a condição de que fosse Marcio a ficar no seu lugar.

“O meu supervisor ficou incrédulo e inicialmente recusou-se a ceder a minha vaga ao Marcio. Disse que eu era um bom funcionário e não devia sair por causa de problemas de outras pessoas. O supervisor também desacreditou a minha atitude e perguntou várias vezes se eu ia mesmo fazer aquilo, mas no final acabou por me elogiar”, continua.

Ate agora, Douglas encontra-se desempregado e faz biscates como segurança, e embora os seus rendimentos sejam agora menores, não está arrependido.

“Senti que era o correto a fazer. O desespero de um pai de família por perder o seu emprego com um filho doente… sim, na hora de assinar a demissão senti uma certa insegurança, mas mantive-me firme na minha decisão. O Marcio está bem, graças a Deus. Está a trabalhar no condomínio e não se cansa de me agradecer, de me engradecer e dizer que marquei a vida dele e da sua família. Até fico sem jeito com tudo isso. Eu só ouvi o meu coração”, admitiu Douglas.

Por respeito à privacidade da família de Marcio, não foram divulgadas fotografias dele em do filho, mas sabe-se que está muito feliz com o novo emprego.

Naturalmente, Douglas tem sido muito elogiado devido ao seu gesto tão altruísta. Esperamos que arranje emprego rapidamente.

PARTILHE!

As mulheres que adoram rodear-se de plantas vivem mais, é o que diz a ciência

Os pirilampos estão em perigo de extinção