Curiosidades

“Vila Alzheimer” permite aos seus residentes andar livremente e viver como no mundo lá fora

Hoje vamos dar-lhe a conhecer um projeto revolucionário francês, que tem como objetivo dar aos pacientes de Alzheimer a oportunidade de viver o mais confortavelmente possível.

Trata-se de um complexo autónomo chamado “Village Landais Alzheimer”, situado em Dax, cidade termal no sudoeste da França, que imita uma aldeia, com supermercado, centro de saúde, cabeleireiro e biblioteca. A construção do espaço custou cerca de 28,8 milhões de euro, cada residente paga cerca de 24.000 euros por ano em taxas e as agências governamentais pagam, pelo custo de ocupação, 65 euros diários por residente.

Os 120 moradores da “aldeia”, todos portadores da doença de Alzheimer, podem viver livremente, com menos medicação e em segurança.

Estes moradores/pacientes foram instalados em casas partilhadas, distribuídas por 4 baixos, com 100 cuidadores e 12 voluntários que vão organizar várias atividades.

Para além disso, as instalações do complexo foram projetadas com o objetivo de ajudar com o sentido de direção, visão e memória.

Nesta aldeia, os pacientes são mais ativos e sociáveis, pois não precisam de tantos medicamentos e podem andar mais à vontade.

Este projeto foi inspirado em Hogeweyk, a primeira “aldeia de Alzheimer” a nível mundial, perto de Amesterdão, na Holanda, onde os moradores são agrupados tendo em conta as suas origens e interesses.

Na aldeia francesa, uma equipa de investigadores vai liderar um estudo a compará-la com os lares de idosos tradicionais.

Aurelie Bouscary, uma auxiliar, partilhou os seus pensamentos sobre este projeto. “O trabalho ainda é o de cuidar, mas é completamente diferente dos modelos existentes e mais tradicionais. Sinto que estou a fazer o meu trabalho ainda melhor.

A comunidade verde foi inaugurada poucas semanas depois de a França suspender a sua quarentena de 2 meses. Os idosos enfrentaram dificuldades durante esse período, pois ficaram longe dos seus entes queridos por um período significativo, mas desde que chegaram à aldeia em junho, as coisas melhoraram porque sentiram que recuperaram muita liberdade.

“Eles recuperaram a motivação e estão a retomar as atividades quotidianas. Como há sempre alguém disponível para tratar dos episódios de ansiedade ou depressão, eles acalmam-se mais rapidamente, e como resultado, as prescrições de tratamentos antidepressivos podem ser reduzidas”, disse Nathalie Bonnet, psicóloga da comunidade.

Como a pandemia do Coronavírus ainda está longe do fim, a vila limitou o contacto externo temporariamente, mas o plano é, eventualmente, permitir a entrada de pessoas de cidades vizinhas para assistir a pequenos espetáculos, participar em minifestivais e até cortar o cabelo no salão.

O que achou deste conceito?

PARTILHE!

Mais Populares

To Top

Possível adblock detectado

Se estiver a usar um Ad Block por favor desligue-o no nosso website. Os anúncios são essenciais para a manutenção deste website.

Refresh