in

Pai adota 5 irmãos que viviam em abrigos diferentes para não ficarem separados

Esta é a história de Uanderson Barreto, um pai solteiro que adotou 5 jovens irmãos com 12, 14, 16, 17 e 19 anos, que residiam em abrigos diferentes.

Uanderson, de 38 anos, vive em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro e trabalha como servidor público. Iniciou os processos de adoção no ano de 2012.

Tudo começou quando foi a um abrigo e conheceu João, que decidiu adotar. Entretanto, soube que este tinha um irmão chamado Daniel, que tinha dificuldades de raciocínio e compreensão, e sentiu que devida adotá-lo também. Assim o fez.

Após João e Daniel, Uanderson conheceu os outros irmãos, e não conseguindo lidar com a ideia de os separar, acabou por adotá-los a todos.

“Depois de uns meses, recebi uma chamada de um outro abrigo a dizer que um dos irmãos dos meninos ia fazer anos, o Alexandre, e queriam saber se eu podia ir até lá para eles se encontrarem. Fiquei muito sensibilizado por ele estar lá sozinho. Então, também dei entrada ao processo de adoção dele e trouxe-o para casa”, conta.

Os jovens estavam a viver em abrigos porque os pais biológicos não tinham condições para os criar, tanto a nível financeiro como psicológico.

A seguir, foi a vez de Pedro ser acolhido. Inicialmente, ia apenas passar o Natal a casa de Uanderson, mas acabou por ficar.

“No Natal seguinte fui ao abrigo e trouxe o Pedro para ficar na minha casa. Ele gostou e ficou. Aí, ainda deixei o Leonardo no abrigo. Há uma semana, a adoção do Pedro formalizou-se e fui buscar o Leonardo. Hoje, formamos a família mais feliz do mundo”, diz o pai solteiro, muito orgulhoso.

Daniel, o jovem com necessidades especiais, estuda numa escola estadual que lhe dá os tratamentos necessários e apropriados, enquanto os restantes jovens estudam em escolas privadas.

Uanderson diz que sempre soube que ia adotar crianças, preferencialmente rapazes mais velhos, pois infelizmente são os que têm menos hipóteses de ser acolhidos.

PARTILHE!

Esta mulher de 107 anos revela o seu segredo para a longevidade: “nunca me casei”

Este homem perdeu o emprego mas não se deu por vencido: hoje ganha milhões como “pescador de bolas de golfe”