in ,

Revelada a maneira como o treinador de futebol sobreviveu juntamente com as 12 crianças presas na gruta

Recentemente, o mundo parou devido às 12 crianças que ficaram presas na caverna de Tham Luang, na Tailândia, juntamente com o treinador de futebol, chamado Ekapol Chanthawong.

Os 13 estavam presos na gruta desde o dia 23 de junho, e Ekapol, o treinador de 25 anos, foi absolutamente essencial na sobrevivência do grupo.

Segundo um dos soldados da operação de resgate, Ekapol partilhou a sua comida e água com as crianças, e ensinou-as a meditar durante as duas semanas que passaram dentro da gruta, para que conseguissem ficar tranquilas. Assim, conseguiram conservar o máximo de energia possível para sobreviver num ambiente tão hostil.

O grupo foi localizado no dia 2 de julho, e desde aí centenas de pessoas fizeram questão de ajudar na operação de resgate.

Na terça-feira, dia em que todos conseguiram finalmente sair da gruta, Ekapol era dos mais fracos pois tinha sempre partilhado a sua comida e água com as crianças.

O jovem treinador perdeu os pais e irmão de 7 anos quando tinha apenas 10 anos de idade, e passou por bastantes dificuldades até começar a treinar a equipa de futebol Moo Pa em 2015.

Antes disso, esteve 10 anos num mosteiro, o que se revelou muito importante naqueles dias de stress e ansiedade.

Na internet, as opiniões dividem-se: algumas pessoas culpam Ekapol por ter levado as crianças àquela gruta, mas os familiares e amigos dos pequenos defendem que o seu comportamento permitiu que sobrevivessem.

“Se Ekapol não estivesse com eles, o que teria acontecido com o meu filho?”, questiona a mãe de uma das crianças que ficou presa.

Alegria Khampai, um amigo do jovem, garante que o treinador adora as crianças mais do que a si mesmo e que se sente culpado pelo sucedido, embora não pudesse adivinhar que a gruta ia inundar.

Muitos jogadores da equipa provêm de famílias pobres e pertencem a minorias étnicas, e tudo o que ele queria era proporcionar-lhes uma atividade de lazer.

Os pais das 12 crianças expressaram a sua gratidão para com Ekapol por ter cuidado dos seus filhos e dizem que ele não se devia sentir culpado.

Umporn Sriwichai, tia de Ekapol, diz que os 10 anos passados no mosteiro melhoraram a saúde física e mental do sobrinho: “lá eles ensinaram habilidades de sobrevivência que certamente ajudaram as crianças a sobreviver na gruta”.

Entretanto, os Membros da Marinha da Tailândia publicaram a carta que o treinador escreveu quando estava preso:

“Eu quero dizer aos pais que as crianças estão muito bem. As pessoas estão a cuidar muito bem delas e prometo que cuidarei delas da melhor maneira possível. Obrigado a todos pela ajuda. E sinto muito.”

“Obrigado por cuidar dos nossos filhos. Treinador, você está aí com eles. Saia com eles, são e salvo. Não se culpe”, respondeu o pai de uma das crianças.

É realmente incrível ver que os pais compreenderam a situação e apoiaram o treinador.

Qual a sua opinião?

Nascem em 3, mas duas delas são siamesas: veja como estão 15 anos depois!

10 casas estranhas mas belas, profundamente escondidas e camufladas