Histórias

Pede à filha de 14 anos para cuidar do irmãozinho enquanto ela está no trabalho e pode apanhar 1 ano de prisão

Quando a COVID-19 encerrou a creche dos seus filhos em maio de 2020, e Melissa Henderson teve que ir trabalhar, ela pediu à sua filha de 14 anos, Linley, para cuidar dos quatro irmãos mais novos.

Linley estava a ter aulas online quando o seu irmão mais novo, Thaddeus, de 4 anos, viu o seu amigo do lado de fora e foi brincar com ele. Passaram-se cerca de 10 ou 15 minutos antes que Linley percebesse que o irmão já não estava com ela. Quando se apercebeu, pensou que ele devia estar em casa do amigo e foi buscá-lo.

Porém, foi tempo suficiente para a mãe do amigo de Thaddeus chamar a polícia. Agora, Melissa, mãe solteira de Blairsville, Geórgia, está a enfrentar acusações de conduta imprudente por deixar a filha de 14 anos tomar conta do irmão mais novo.

As acusações em questão têm uma pena máxima de 1 ano de prisão e uma multa de US $ 1.000. O polícia que prendeu Melissa, o vice-xerife Marc Pilote, escreveu no seu relatório que qualquer coisa terrível poderia ter acontecido a Thaddeus, incluindo ser sequestrado, atropelado ou “mordido por uma cobra venenosa”. Quando Melissa protestou que o menino tinha saído apenas por alguns minutos, Pilote respondeu que alguns minutos eram suficientes para qualquer uma dessas coisas acontecer.

O caso já se arrasta há quase 2 anos, e o advogado de Melissa, David DeLugas, argumenta que cobrar a uma mãe por uma decisão parental normal foi declarado inconstitucional pela Suprema Corte da Geórgia em 1997. Nesse caso, uma mãe deixou o filho de 11 anos de idade a cuidar do irmão mais novo, que morreu num trágico acidente, e mesmo assim, o tribunal decidiu que era arbitrário e subjetivo chamar a decisão da mãe de imprudente. Além disso, aponta DeLugas, as próprias diretrizes de proteção infantil da Geórgia dizem que as crianças podem tomar conta dos irmãos aos 13 anos.

DeLugas é fundador da Parents USA, que existe para combater casos como este. Há três semanas, ele apresentou uma nova moção para encerrar o caso.

Melissa foi investigado pela Divisão de Serviços Familiares e Infantis da Geórgia cerca de 1 ano antes, quando Thaddeus, na altura com 3 anos, tinha perambulado no exterior. Ela não estava mais sob a supervisão da Divisão quando este segundo incidente ocorreu. A Divisão investigou a conduta de Melissa e considerou-a corriqueira, encerrando o caso, mas Pilote relembrou a investigação anterior, acreditando que isso provava algum tipo de padrão e emitiu um mandato de prisão cerca de duas semanas depois, quando 5 carros da polícia foram até casa de Melissa.

“Eu quase não tenho palavras para o quão baixo isso me fez sentir. Eu sinto, no fundo do meu coração que, se eu sou alguma coisa, é uma boa mãe e tudo que faço é pelos meus filhos. Fui despojada disso a ponto de ser algemada em frente deles”, desabafa Melissa.

Ela foi colocada dentro de uma viatura da polícia e levada para a cadeia do condado, onde foi fotografada, cedeu as suas impressões digitais e recebeu um par de crocs laranja para usar. Então, foi colocada em uma cela. “Lembro-me de me enrolar numa bola no canto e só querer esconder-me”, diz ela. Então, o seu ex-marido pagou a fiança e Melissa pôde voltar para casa.

O promotor público, Jeff Langley, disse que achava que os polícias agiram com prudência, já que o menino já tinha saído uma vez sozinho e acrescentou que mesmo um veredicto de culpada provavelmente não resultaria em prisão para Melissa, mas pensou que proibi-la de deixar a sua filha cuidar do irmão poderia ser uma boa ideia. “Só queremos garantir que as crianças na nossa pequena comunidade permanecem seguras”, disse.

Langley acrescentou que os polícias o informaram que Linley, de 14 anos, tinha “alguma dificuldade de aprendizagem”, tornando-a uma babysitter não confiável.

A filha de Melissa foi diagnosticada anteriormente com défocot de atenção com hiperatividade, mas tem excelentes notas, é vice-presidente do 4-H Club, quebrou recordes escolares na pista da escola, completou o programa de cuidados infantis da Cruz Vermelha e é certificada em reanimação cardiorrespiratória.

No entanto, não deve ser necessário ter um super adolescente para os pais poderem tomar providências precipitadas para cuidar dos filhos durante uma pandemia. É por isso que a Let Grow está a trabalhar para restringir as leis de negligência dos estados, garantindo que elas entrem em ação apenas quando os pais colocam os seus filhos em perigo provável e óbvio, e não quando tomam uma decisão que um polícia ou assistente social desaprova. PARTILHE!

Mais Populares

To Top

Possível adblock detectado

Se estiver a usar um Ad Block por favor desligue-o no nosso website. Os anúncios são essenciais para a manutenção deste website.

Refresh