in

Pai adormece com o filho recém-nascido nos braços – 2 horas depois acorda e fica gelado com o que vê

Esta é a história de David Hulley, um jovem de 25 anos, residente em Stockport, na Inglaterra, que se tornou pai pela segunda vez e não poderia estar mais feliz.

David é um pai carinhoso que adorava passar o tempo a cuidar dos seus pequeninos. Certo dia, estava deitado no sofá com o bebé e ambos adormeceram. Quando David acordou, viu algo que o dilacerou por completo.

Karson Winter-Hulley, com 4 semanas de idade, parecia perfeitamente seguro e confortável nos braços do seu pai.

“Ele estava muito calmo e aconchegou-se em mim, enquanto o biberão aquecia. Eu fiquei simplesmente a admirá-lo. Entretanto, acabámos por adormecer. Fiz apenas uma pequena sesta”, conta David.

Duas horas depois, David percebeu que o pequeno Karson não estava a reagir. Começou a entrar em pânico e fez tudo ao seu alcance para acordar o filho, mas já era tarde demais.

“Eu corri para o andar de cima e disse à Beverly que acho que algo estava errado. A Beverly tentou fazer-lhe respiração boca a boca, mas não conseguiu nada. Chamámos uma ambulância e eles tentaram ressuscitá-lo”, lembra.

Então, o casal recebeu a notícia mais dolorosa que qualquer pai ou mãe pode receber: o bebé estava morto. A razão da perda dolorosa deixou-os ainda mais esmagados.

Os médicos disseram que o recém-nascido sofreu de síndrome da morte súbita do lactente, que é a morte inexplicável, que geralmente ocorre durante o sono, de um bebê aparentemente saudável com menos de 1 ano de idade.

Não havia nada de errado com o bebé antes de este adormecer. Os médicos não conseguem explicar a razão por trás desta síndrome e não sabem qual pode ser a causa, mas sugerem algumas coisas que podem ajudar a impedir que isso aconteça. Por exemplo, deve-se colocar o bebé a dormir de barriga para cima, num berço firme sem brinquedos à volta, não fumar no quarto onde o bebé dorme, e evitar que estejam demasiado quentes, vestindo-os com roupas leves e confortáveis ​​durante a noite.

A patologista Melanie Newbold disse:

“Ele era um bebé muito pequeno ainda. Não tinha ferimentos ou marcas externas e era perfeitamente normal. Tinha sinais de uma constipação comum, mas estava bem até morrer.”

Os nossos pensamentos e orações vão para esta família. Descansa em paz, pequeno Karson.

Ninguém percebe porque é que ele continua a mandar rosas à sua ex-mulher, até ele revelar a verdade

Casal transformou autocarro escolar numa casa de sonho com rodas. A decoração do interior é brutal