in ,

Milionário deixa tudo para viver numa caverna. Quando você vir o interior, vai entender a razão

Esta é a história de Angelo Mastropietro, o diretor de uma empresa australiana bem-sucedido, que resolveu mudar de vida, deixando a vida luxuosa no centro da cidade para ir viver numa caverna em Worcestershire, no Reino Unido, mais tranquilamente.

O milionário encontrou a caverna num passeio de bicicleta, pois quando começou uma grande tempestade inesperada, ele decidiu esperar que a chuva passasse lá dentro.

Passados alguns anos, ele foi contactado pelos antigos proprietários do terreno onde se encontra a caverna, pois eles queriam saber se ele tinha interesse em adquiri-lo.

Vendo aí uma excelente oportunidade para transformar a caverna de milhões de anos numa casa, Angelo disse adeus à vida agitada da cidade.

Então, investiu cerca de 200 mil dólares, para além da escavação de mais de 80 toneladas de rocha e da perfuração que foi preciso fazer ara encontrar água doce suficiente para abastecer a nova habitação.

Muitos perguntam-se porque é que alguém com tanto sucesso e fortuna quereria ir viver para uma caverna, longe de tudo, desconhecendo que, em 2007, os médicos diagnosticaram Angelo com esclerose múltipla (doença do sistema nervoso central que provoca perda de mobilidade).

De forma a fazer a caverna parecer mais espaçosa e iluminada, o interior foi pintado de branco, e cada espaço foi aproveitado ao máximo para dar resposta a todas as necessidade da família, que apoiou a aventura. Há até uma lareira dentro do quarto!

Angelo precisou de contratar uma equipa de eletricistas para conseguir ter luz elétrica, mas no final de tanto trabalho tudo compensou e ele contou que estava muito orgulhoso da nova casa e da sua decisão.

O seu objetivo foi concretizado aos poucos, pois a sua condição melhorou e os sintomas da doença minimizaram, pelo que Angelo se encontra mais calmo e feliz ao lado dos que mais ama.

34 tatuagens 3D que são demasiado perfeitas para ser reais

Noivos nascidos no mesmo dia no mesmo hospital descobrem que as coincidências bizarras não acabam aí