in ,

Enfermeira portuguesa escreve desabafo sobre o setor e deixa apelo emocionado nas redes sociais!

Recentemente, uma enfermeira chamada Ana Cláudia, residente na Figueira da Foz, manifestou-se em defesa dos enfermeiros portugueses no Facebook.

No seu desabafo, Ana diz não pertencer a ordens, sindicatos ou partidos políticos, e alerta para que “salvem a enfermagem”, criticando os gastos do Ministro da Saúde e pagamentos das reuniões na Caixa Geral de Depósitos.

Entretanto, o texto sentido da enfermeira já se tornou viral. Aqui fica ele:

“Vazio.

É isto. E por favor, peço que percam uns minutos da vossa vida.

Apresento-me: sou Enfermeira há 13 anos, de alma e coração. Enfermagem foi a minha primeira e única opção na entrada no ensino superior. Não pertenço a Sindicatos. Nem a Ordens. Nem a partidos políticos ou organizações. Sou simplesmente Enfermeira.

Nunca pensei assistir ao que assisto hoje, em pleno Portugal – país que julgava justo, sem opressão ou desigualdade social.

Vazio. É o sentimento.

Somos humanos. E garanto-vos que Enfermagem é mais do que uma profissão. É muito mais….

Não vou fazer um discurso bonito para discutir o quanto vale em números o meu trabalho. Provavelmente nunca iriam compreender.

O quanto vale ter que lidar com os olhos de quem sabe que vai morrer… de limpar as lágrimas e a dor de tantos… não…

Nem tão pouco vou discutir o facto de não sermos pagos como licenciados, ou não termos uma carreira aprovada como todos os que trabalham ao nosso lado. Não. Não vou apontar o dedo ao meu país por não me dar o direito de progredir na carreira; do meu país permitir que eu ganhe menos que o meu colega do meu serviço que faz o mesmo que eu….

Não… não… Não é isto que provoca o vazio. É muito mais doloroso que isto…

Vazio: dói na alma ver o meu Estado, o meu Presidente, o meu País contra nós.

Dói a hipocrisia do meu Ministério a preferir pagar horas extraordinárias (ficando mais dispendioso ao país) para outros profissionais fazerem o nosso trabalho e afirmando que é para bem dos utentes, querendo passar uma imagem à população que os Enfermeiros “é que são os maus”. Como chegámos a isto? Será que num mundo capitalista tudo vale?

Dói preferirem mandar grávidas para o privado do que valorizarem e reconhecerem a existência de Enfermeiros especialistas qualificados. Dói.

Porque é que todas as profissões na Saúde estão a ser respeitadas e nós não merecemos o mesmo? Há dinheiro para uns, mas não para todos? Pior… há dinheiro para aumentar os pagamentos nas reuniões da Caixa Geral Depósitos? E o Sr. Ministro da Saúde precisa de 2 motoristas, cujo salário de cada é 2115,82 euros?

Dói ainda mais ver na minha classe, colegas que se vendem… grupos camuflados, em que valores (políticos ou benefícios pessoais) valem mais que a nobre Enfermagem, e os direitos pelos quais exigimos justamente.

Unam-se! Somos todos iguais, colegas. Onde está a consciência dos meus pares? Quando ficámos assim?

Dói.

Vazio.

Sinto que Enfermagem sofre de bullying, mas que ninguém vê. Ninguém. E pior… empurram-na para o suicídio. Pior consequência do bullying.

Porque é que tanto nos atacam? Gostava que os portugueses soubessem da verdade. A verdade que não passa nos jornais ou televisões. Que bons e maus profissionais há em todo o lado, mas que os bons estão a morrer. Lentamente…. Neste vazio.

Por favor. Não deixem os bons Enfermeiros portugueses. Não acreditem nas jogadas e interesses políticos e capitalistas. Não somos ladrões, nem somos os maus. Eu não o sou. Sou Enfermeira de coração, não por dinheiro. Graças a Deus orgulho-me da educação que os meus pais me deram, e algo essencial que devo a eles: a integridade e honestidade nos meus atos. Só gostávamos de obter respeito. Respeitem a nossa greve. Respeitem os Enfermeiros. Colegas: respeitem-se.

E este vazio está a ser difícil de preencher. Falta a esperança, o lado bom do ser humano para o preencher.

Está em ti.

Tu que leste até ao fim…

Podes ser enfermeiro ou não. Nao interessa. Tu fazes a diferença. E TU, dentro de ti, sabes como.

Por favor faz diferença. Salva Enfermagem. Salva-nos a todos.

#EnfermagemPortuguesa

#JuntosSomosMaisFortes”

Qual a sua opinião?

PARTILHE!

Idosa é despejada aos 82 anos e coloca os bens na rua

Professor universitário: “obrigar uma criança a dar um beijo ao avô é violência”