Deitar-se com os seus filhos até eles adormecerem não é um mau hábito

Muitas pessoas censuram os pais que se deitam com os filhos até estes adormecerem, pois consideram este hábito prejudicial, pois é preciso ensiná-los a ser independentes.

Contudo, uma mãe que pensa de forma diferente decidiu partilhar a sua experiência e opinião pessoal sobre a questão. Aqui fica o seu testemunho, que dá que pensar:

“Lá em baixo, uma explosão de loiças, roupas e brinquedos está à espera de ser tratada. Cá em casa, as crianças pedem uma história, um copo de água, um abraço, qualquer coisa que nos possa deter ao lado delas por mais um minuto. Tudo o que quero é terminar esta parte do dia para descer antes de não ter mais energia para lavar os pratos.

“Mãe, queres deitar-te comigo?”, pergunta a minha filha. E eu suspiro, porque não é realmente o planeado. Mas também não quero lavar a loiça. Então, eu deslizo sob o seu edredom rosa na calma do seu quarto e ela aperta-me o rosto. Ela cheira a sabonete e leite quente e sussurra: “vamos falar sobre o nosso dia”.

É um ritual que começámos quando ela era pequena, antes de dormir. Refletimos sobre o dia: o que foi divertido, o que foi difícil, o que nos fez felizes, o que nos entristeceu.

É aqui na sua cama que eu aprendo mais sobre ela e que ela aprende mais sobre mim. E às vezes, é a primeira vez que nos tocamos o dia todo, de forma significativa.

Inevitavelmente, ela fecha os olhos, puxa a minha mão em direção a ela, consolada por saber que estou bem ao lado dela.

Eu nunca pretendi ser uma mãe que se deitaria com os seus filhos até eles adormecerem. Antes pelo contrário, eu tinha em mente que as crianças deveriam dormir sozinhas, com as luzes apagadas. Não só porque ainda temos uma vida para viver depois de os nossos filhos estarem na cama, mas porque achei que era interessante para eles se acalmarem.

As minhas crenças mudaram ao longo dos últimos cinco anos, desde que me tornei mãe. A minha filha mais velha sempre precisou de estar perto de nós para dormir. Nós embalámo-la para dormir quando era uma bebé recém-nascida, cantámos para ela e dormimos com ela como crianças. Mesmo agora, ela precisa sempre de nós por perto – muitas vezes no seu quarto, mas preferencialmente na cama. É um hábito terrível que a deixámos apanhar? Talvez.

Mas no final do dia, é realmente importante?

A verdade é que ela aprenderá a adormecer sozinha em breve. Nós não vamos mandá-la para a faculdade com um clone nosso para se aconchegar no seu dormitório. Antes de nos apercebermos, haverão portas fechadas e independência, e ficaremos nostálgicos pelos dias em que ela precisou de sentir a nossa mão nas costas para se sentir segura o suficiente para adormecer.

A ideia de se deitar com os filhos – bem como outras práticas centradas na criança, tais como a alimentação sob demanda, formam a base do apego dos pais, um estilo que parece corresponder aos meus valores como mãe.

A parentalidade com apego não é um conjunto estrito de diretrizes. É uma filosofia geral de educação que enfatiza o apoio físico e o conforto para dar às crianças uma sensação de segurança quando elas precisam.

De acordo com Susan Krauss Whitbourne, professora de ciências psicológicas e do cérebro na Universidade de Massachusetts em Amherst, há evidências de que a parentalidade com apego permite que as crianças tenham sucesso quando se tornam adultas.

“Quando você separa os exageros populares de estudos científicos mais objetivos, é uma abordagem sensata que promove a saúde física e psicológica das crianças”, escreveu Whitbourne num artigo de 2013 da Psychology Today.

“Sabemos, a partir de extensas pesquisas, que adultos que desenvolveram um forte apego pelos pais têm vidas mais felizes e menos conflituosas. Há até mesmo pesquisas a sugerir que elas poderiam ser melhores pais no futuro”.

A pesquisa foi realizada em 2010 por Patrice Marie Miller e Michael Lamport Commons na Harvard Medical School.

“Parentalidade por proximidade é continuar a ser muito sensível à criança”, escrevem Miller e Commons no seu artigo “Os benefícios do apego dos pais para bebés e crianças”.

“Os benefícios incluem menos exposição ao stress, o que afeta o desenvolvimento do cérebro e as reações subsequentes ao stress. Isto foi mostrado para reduzir problemas de saúde mental em desenvolvimento posterior. Outro benefício psicológico importante é o apego seguro, que é a tendência da criança de procurar contato com um dos pais quando está em perigo e de ser consolada efetivamente por esse contato. O resultado de regulação de emoções mais eficaz e apego seguro é que as crianças se envolvem mais efetivamente em tarefas essenciais de desenvolvimento, incluindo relacionamentos entre pares e na escolaridade.”

É claro que nem todas as crianças precisam dos pais para ajudar a regular o stress e a ansiedade da mesma maneira. A minha filha mais nova geralmente adormece sozinha, mas as suas necessidades sempre foram diferentes das da sua irmã.

Eu entendi que, porque os meus filhos são tão fundamentalmente diferentes, não há uma abordagem única para criá-los. E à medida que crescem, as suas necessidades – e o que elas precisam de mim como mãe – continuarão a evoluir.

Eu não sei o que está acontecer na mente da minha filha mais velha quando ela vai para a cama à noite à espera que o sono chegue. Não conheço as suas preocupações e tensões e não entendo como a minha presença a ajuda a deixar de lado as suas preocupações.

Tudo que sei é que, enquanto ela precisar de mim ao seu lado, eu estarei lá para ela. Eu dou-lhe os braços quando ela precisa se sentir perto de mim e vou-me afastar quando ela precisar de se sentir independente. Eu tentarei sempre ser uma mãe recetiva e compassiva. E agora, isso significa estar a dormir com ela debaixo do edredom rosa na calma do seu quarto.”

Um polícia chamado para expulsar um sem-abrigo de um restaurante decide pagar-lhe a refeição

Professora não quer deixar aluna com paralisia cerebral fora da caminhada de turma – então, ela decide carregar a menina às costas