in ,

Homem surdo e cego tem dificuldades no avião quando uma jovem de 15 anos faz algo que os passageiros não conseguem ignorar

Lynette Scribner, residente em Oregon, estava a assistir as pessoas no Aeroporto Internacional Logan, em Boston, Massachusetts, quando algo chamou a sua atenção. Ela esforçou-se para não olhar ao princípio, mas a interação entre duas pessoas diante dela era realmente cativante.

Um homem chamado Tim tinha ido visitar a sua irmã e parecia ser surdo e cego. Lynette chegou a essa conclusão depois de ver a sua irmã fazer língua de sinais de forma a que ele pudesse sentir as suas palavras.

Lynette ficou surpreendida quando Tim não só embarcou no seu voo, mas foi designado para o lugar do meio na sua fila. Mas ele estava a viajar sozinho…

O homem com o lugar do corredor na sua fila graciosamente deu o seu lugar a Tim, mas a compaixão mostrada a este homem não terminou aí. Tim precisava de ajuda, mas os comissários de bordo não podiam ajudá-lo.

Tim estava desesperado. Ele estendeu a mão para tocar nos rostos e braços dos comissários de bordo e, enquanto eles apertavam a mão em troca, as suas tentativas de comunicar não pareciam estar a funcionar, reparou Lynette.

“Ele tinha alguma habilidade verbal, mas claramente não conseguia entendê-los. O homem que tinha desistido do seu lugar fez o melhor que pôde para ajudá-lo com coisas como abrir o as natas e colocá-las no seu café”, conta.

Os comissários de bordo decidiram dirigir-se aos passageiros no intercomunicador para descobrir se alguém a bordo do voo sabia linguagem de sinais. Felizmente, uma tímida jovem de 15 anos surgiu do meio da multidão.

Clara Daly estava a viajar com sua mãe Jane, de Boston para Los Angeles, num voo de seis horas da Alaska Airlines que incluía uma escala em Portland, Oregon. Como por destino, a adolescente da Califórnia estava no voo de Tim.

Clara aprendeu a linguagem de sinais americana porque tem dislexia e afirma que foi a língua estrangeira mais fácil de aprender. Depois de se voluntariar para ajudar Tim durante o voo, ela concentrou-se então apenas em Tim e todas as suas necessidades.

“Foi fascinante ver como ela assinou uma letra de cada vez na sua mão. Ele foi capaz de ‘ler’ a sua assinatura e eles continuaram uma conversa animada. Quando ele perguntou se ela era bonita, ela corou e riu enquanto o companheiro de assento, que tinha aprendido alguns sinais, comunicou um sim entusiástico a Tim. Não sei quando é que já vi tantas pessoas a reunir-se para cuidar de outro ser humano”, conta Lynette.

As pessoas nos lugares à volta de Tim e Clara não podiam deixar de sorrir juntamente com os dois enquanto estes comunicavam à sua maneira. Lynette disse que era evidente que Tim estava feliz por ter alguém com quem conversar, alguém que pudesse ajudá-lo.

“Eu não posso dizer o suficiente sobre essa linda jovem chamada Clara que não pensou duas vezes em ajudar o seu companheiro de viagem. Foi um belo lembrete, neste momento de muito horror, que ainda existem pessoas boas que estão dispostos a olhar pelos outros”, acrescentou Lynette.

A Alaska Airlines respondeu à atenção que Clara e Tim receberam nas redes sociais e observou que ela foi um verdadeiro “anjo”. Quando o avião aterrou, um prestador de serviços da instalação onde Tim vive estava pronto e à espera para ajudá-lo a ir até sua casa.

Ninguém podia acreditar na história de Tim e como uma doce jovem de cabelos loiros tinha ido em seu socorro a milhares de metros no ar. Na verdade, a publicação de Lynette tornou-se viral e a sua história aqueceu os corações por todo o mundo. PARTILHE!

Alunos juntam dinheiro para realizar sonho do “senhor da limpeza” da Universidade

Mãe dá à luz bebé saudável mas 7 horas depois sai à pressa do hospital deixando a família boquiaberta