in

Médicos disseram-lhe que ela devia abortar o seu bebé devido a problemas de desenvolvimento, mas 9 meses depois ele desafia as probabilidades

Quando Cheyenne Potts e o seu marido Michael descobriram que iam ter um bebé, ficaram absolutamente radiantes, mas à medida que o dia do nascimento se aproximava, foram recebendo notícias terríveis.

Os médicos disseram-lhes que o bebé não estava a desenvolver-se corretamente, e que provavelmente morreria antes do parto. Mesmo que sobrevivesse ao parto, não viveria mais de uma semana.

A avó revelou que Leo, o bebé, foi diagnosticado com Osteogénese Imperfeita, também conhecida como doença dos ossos de vidro.

Esta é uma condição muito complicada, que torna os ossos excecionalmente fracos e facilmente quebradiços, com sintomas como perda auditiva, dificuldades respiratórias e articulações frouxas. Afeta cerca de 1 em cada 15.000 pessoas, e não há cura.

Então, quando os médicos confirmaram o diagnóstico, fizeram uma recomendação aos pais de Leo: Cheyenne devia fazer um aborto.

No início, Cheyenne e Michael não sabiam o que pensar, mas depois tomaram uma decisão:

“Decidimos fazer o possível para planear como se os médicos estivessem errados. Conversar sobre como seria a vida com Leo. Passámos os últimos 4 meses assim.”

O casal e a sua família prepararam-se para o nascimento de Leo, que devia ocorrer logo após o Natal. Então, em janeiro de 2019, chegou o grande dia. Leo nasceu, com 2,5kg, e foi então que começou a desafiar as probabilidades e abalar as expectativas dos médicos.

Leo Alexander veio a este mundo vivo, a chorar, e tudo por conta própria! Os médicos estavam errados. Se era perfeito? Não, mas era perfeitamente imperfeito, e estava mesmo ali. Vivo e era um lutador.

Os médicos ficaram surpreendidos ao ver que Leo era tão resiliente, apesar da sua condição, mas disseram que ele ainda teria de passar pelo menos 6 meses na unidade de cuidados intensivos neonatais. Porém, acabou por ficar lá menos de três semanas, tendo saído para casa com os pais com autorização médica. Desde então, ele tem-se saído muito bem e é um bebé muito feliz e sorridente.

Claro, nem tudo foi tranquilo. A avó de Leo admite que houve muitos “altos e baixos” na vida de Leo até agora, mas disse também que os bons momentos valem totalmente a pena e que ela e os pais de Leo são muito gratos por cada segundo que passam com o seu pequeno bravo lutador.

“Perguntaram-nos sobre momentos que se destacam para nós e, para ser sincera, não consigo pensar em apenas algumas coisas que se destaquem. A vida inteira de Leo destaca-se. Ele tem um espírito incrivelmente feliz e nós temos a sorte de o ver a tocar e inspirar as pessoas aonde quer que vá”, disse a mãe.

Leo é uma inspiração, e esperamos que continue a superar os obstáculos por muitos e longos anos.

Este polícia surpreendeu uma mãe solteira de 5 com novas cadeiras auto para manter as crianças a salvo

Depois de 16 anos e 18 abortos espontâneos, uma mulher consegue ter um filho com quase 50 anos