Mãe tem que deixar o bebé após os médicos dizerem que ele não vai sobreviver

Esta é a história de Axel Winch, um menino que nasceu 11 semanas prematuro, por uma cesariana urgente.

Os médicos achavam que ele não ia sobreviver à primeira semana, pois o pequeno tinha nascido com apenas 2 kg, cego, surdo e com o esqueleto deformado.

Melissa e Adam Winch, os pais de Axel, foram informados de que o bebé sofria de enterocolite necrotizante, uma inflamação do intestino que faz com que algumas partes do intestino fiquem necrosas.

Os pais do menino agarraram-se à esperança de uma cirurgia de emergência, para a qual tiveram de voar 400km, até uma clinica especializada em Aurora, no Colorado.

Felizmente, o pequeno sobreviveu à operação, mas ainda assim não estava a salvo. Durante semanas, o casal ficou ao pé do bebé dia e noite, e por não terem seguro de saúde, tiveram de suportar todos os custos do hospital.

Não havia outra opção a não ser regressaram a casa para os seus empregos, e deixar Axel no hospital.

“Ao irmos embora, eu chorei a maior parte da viagem de volta. Foi horrível”, lembra Melissa, desolada por não poder passar todo o tempo com o seu filho em sofrimento.

Contudo, eles receberam ajuda inesperada da polícia local de Aurora, que após ler no Facebook sobre a situação, resolveram cuidar de Axel sempre que os pais não pudessem.

Então, iam para o hospital, cantavam para o bebé e davam-lhe muito amor e carinho. “Eles foram muito amorosos, e foi um gesto singular”, diz Adam.

Após três meses, Axel finalmente pôde deixar o hospital! “É simplesmente incrível poder tê-lo em casa”, conta o casal.

O menino superou todos os obstáculos e lutou com força pela vida. Embora ainda tenha algumas dificuldades pela frente, os médicos estão otimistas.

Mesmo que o pequeno tenha de voltar ao hospital, é certo que vai ter o amor de muitas pessoas para o ajudar.

15 fotografias que provam que o Japão é um país diferente

Miss é humilhada por ser de uma família humilde, mas observe como ela silencia a boca de todos